Pesquisar Produto / Empresa:
Histórico da Cidade
Datas Históricas
Dados Estatísticos
Brasão de Armas e Bandeiras
Prefeitos Municipais
Hinos
As Ruas de São Caetano
Os Bairros de São Caetano
Poder Executivo
Poder Legislativo
Poder Judiciário
Diretorias, Autarquias e Fundações
Governo Itinerante
IPASM
Contas Públicas
Desenvolvimento Econômico
Saúde
Habitação
Esporte
Cultura
Educação
Infra-Estrutura

O ano de 2001 começou sob a indicação de São Caetano do Sul, pela Unicef, como a terceira melhor cidade do Brasil e a segunda melhor do Estado em atendimento à infância, classificação obtida especialmente pelo destacado papel da área de educação.

No início do ano, todas as Escolas Municipais de Educação Infantil (EMEI) e as Escolas Municipais Integradas (EMI) foram abertas aos pais dos alunos, através do programa Apresentando a Escola. O objetivo foi de aproximar pais e comunidade da realidade da escola. A Diretoria de Educação e Cultura ainda atuou na capacitação dos integrantes das Associações de Pais e Mestres (APMs), eleitos para atuar em 39 escolas da rede municipal de ensino.

Com metodologia adequada às diversas faixas etárias, as escolas da rede de ensino infantil desenvolveram, durante 2001, inúmeras atividades didáticas e projetos alternativos, como o Brincando na Escola, que objetiva proporcionar atividades diferenciadas na rotina das crianças, e o Projeto Musicalização, para despertar o prazer de ouvir, fazer música e desenvolver o potencial criativo dos alunos.

O extenso calendário de atividades incluiu comemorações referentes a datas (Dia do Índio, do Folclore, da Árvore, etc), eventos ligados à cultura (teatro, música, excursões ao Museu de Arte de São Paulo, etc), à recreação e lazer (passeios ao zoológico, atividades esportivas, etc), entre outras. As EMEIs formaram, em 2001, 1.196 alunos da fase III. A pré-escola atendeu a 6.200 alunos.

A produção das educadoras – professores e auxiliares de Primeira Infância – também mereceu avaliações em minicongressos, em que foram compartilhados os projetos vivenciados em salas de aula, nas diversas áreas do conhecimento, tais como artes visuais, natureza e sociedade, matemática, movimento, linguagem oral e escrita.

O Centro Interescolar Municipal (CIM) Alcina Dantas Feijão adotou o programa Escola de Pais do Alcina, para melhorar o diálogo entre pais e filhos. Durante 2001, o Alcina realizou ações diferenciadas, como o Projeto Interdisciplinar com o tema Organizações Não-Governamentais (ONG), para situar os alunos sobre o papel dessas entidades. O CIM ainda realizou eventos como a Semana da Água e o Festival de Publicidade.

A Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Ângelo Raphael Pellegrino seguiu com seus programas alternativos. Através do projeto Jovem Mostra a Tua Cara os alunos envolveram-se nas campanhas de combate a dengue, programas de reciclagem, em palestras sobre temas como drogas, para pais e filhos, etc. Ainda realizaram atividades como Oficina de Artes, Mostra Cultural, Festival de Música, Meu Primeiro Livro, etc.

A Escola de Educação Básica (EEB) da Fundação Anne Sullivan, que atende crianças com surdez, surdocegueira, paralisia cerebral e autismo infantil, iniciou o treinamento de educadores da rede de ensino para atuar no Programa de Inclusão, um dos projetos de destaque dentre as atividades de 2001. Uma avaliação criteriosa determinou as crianças que poderão frequentar a rede regular de ensino em 2002.

O Projeto de Alfabetização de Jovens e Adultos (Proalfa), que atendeu 1.333 alunos em três anos, continuou atuante em 2001, formando 293 alunos – o objetivo da Administração é reduzir a zero a taxa de 1% de analfabetismo. Outro mecanismo que seguiu na alfabetização de adultos foi o Centro de Orientação Profissional Elvira Paolilo Braido (COPI), que oferece, regularmente, cursos supletivos. Em 2001, os alunos receberam material didático gratuito. A Escola da Vida também seguiu com seus cursos profissionalizantes de qualificação e requalificação profissional (garçon, confeiteiro, cozinha e culinária, etc).

Todas as escolas da rede de educação alternativa (informática, línguas, ecologia, bailado) seguiram com suas atividades em 2001, com destaque para as Semanas da Água e do Meio Ambiente, promovidas pela Escola de Ecologia; e o ciclo de debates sobre a Língua Portuguesa A Língua Nossa de Cada Dia, organizado pela Escola Municipal de Línguas Paulo Sérgio Fiorotti.

A ótima infra-estrutura do ensino fez São Caetano ser definido como o município que tem uma "educação de primeiro mundo", pelo ministro da Educação, Paulo Renato Souza, que visitou a cidade em 2001.