Pesquisar Produto / Empresa:
Histórico da Cidade
Datas Históricas
Dados Estatísticos
Brasão de Armas e Bandeiras
Prefeitos Municipais
Hinos
As Ruas de São Caetano
Os Bairros de São Caetano
Poder Executivo
Poder Legislativo
Poder Judiciário
Diretorias, Autarquias e Fundações
Governo Itinerante
IPASM
Contas Públicas
Desenvolvimento Econômico
Saúde
Habitação
Esporte
Cultura
Educação
Infra-Estrutura

Superávit nas contas públicas

O prefeito Luiz Tortorello faz um balanço positivo da administração de São Caetano do Sul em 2001. Mesmo com a economia mundial abalada por incertezas devidas aos ataques terroristas ocorridos nos Estados Unidos e por sérias crises como a da Argentina, o orçamento municipal previsto para o período, de R$ 210 milhões, foi cumprido, pelo quinto ano consecutivo, e registrou um pequeno superávit de 1,5%. A receita de São Caetano, terminado o ano de 2001, foi de R$ 213 milhões. "Acertar na arrecadação já é bom, mas terminar um ano como este com superávit é excelente. Não acredito que a maioria dos municípios brasileiros tenha conseguido isso." Destacou ainda a atenção que terão, em 2002, as obras de elevação das pontes ao longo da Avenida Guido Aliberti, visando minimizar os problemas de enchentes.

Todas as áreas da Administração apresentaram relatórios sobre as ações desenvolvidas durante o ano. O prefeito destacou o investimento de 37,06% feito na educação (27,06% no ensino fundamental e 10% na educação alternativa) e de 10,93% na saúde.

O chefe do Executivo informou que as finanças da administração, referentes a 1999/2000 foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado, sem ressalvas.

Para 2002 o prefeito pediu às diretorias que continuem o bom trabalho e destacou a filosofia da administração de estimular a vinda de negócios para a cidade. "Queremos seguir com nossa política de desenvolvimento econômico de atrair empresas e agilizar a instalação, com alvarás expedidos em 24 horas, sem burocracia", afirmou Tortorello.

Entre muitos outros projetos para 2002 citou os da área de habitação. "Queremos dinamismo na regulamentação dos cortiços, que têm de oferecer melhores condições de moradia. A lei dos cortiços vai ser levada adiante, assim como o projeto Domus Mea", disse, referindo-se à comercialização dos primeiros 120 apartamentos populares construídos no Bairro Mauá. As unidades serão vendidas, pela Caixa Econômica Federal, a preços acessíveis para cidadãos de baixa renda, com prioridade para os moradores de cortiços. Observou também que deseja ver o projeto de pagamento de aluguel para famílias desempregadas totalmente implantado.